Audiência discute problemas de energia elétrica no Sudoeste

Em Audiência Pública realizada nesta sexta-feira, 11/03, na Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná (Amsop), o presidente da Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel), Daniel Pimentel Slaviero, decidiu criar um comitê de crise para encontrar soluções ao problema das frequentes quedas de energia elétrica na região.

Pelo menos desde 2019, o setor agropecuário da região reclama das constantes quedas de energia elétrica, que causam prejuízos, principalmente, à produção de leite e frangos, além de indústrias. “O crescimento do sudoeste, pelo que a gente percebe, foi maior do que os investimentos feitos pela Copel, historicamente, na nossa região. Então, é preciso corrigir isso e buscar o equilíbrio entre oferta e demanda pelo bom desenvolvimento do sudoeste”, assinalou o presidente da Amsop e prefeito de Francisco Beltrão, Cleber Fontana.

De acordo com o presidente da Copel, o comitê de crise será liderado pela Amsop e Associação das Câmaras Municipais do Sudoeste do Paraná (Acamsop), e composto por servidores da Copel, representantes da Assembleia Legislativa, de entidades de produtores rurais e cooperativas.

Os membros do comitê de crise devem ser indicados até a próxima segunda-feira, 14/03, e o comitê de crise, a princípio, deve ter uma duração de 60 dias, segundo o que foi proposto pelo presidente da Copel.

“Nós precisamos levar em consideração que, nos últimos meses, aconteceram os três piores eventos climáticos da história da Copel, dentre eles, um ciclone-bomba, que atingiu aqui a região. Porém, para sanar essas quedas de energia elétrica aqui no sudoeste, a Copel está investindo mais de R$ 3,5 bilhões em programas como o Paraná Trifásico, que é o maior da América Latina, aquisição de equipamentos e medidores para a formação de redes inteligentes e o reforço nas equipes de manutenção”, explicou Slaviero.

Segundo o diretor de regulação e gestão da Copel Distribuição, Hemerson Pedroso, os municípios do sudoeste estão incluídos em um pacote de investimentos de R$ 252 milhões que devem ser feitos até o mês de outubro.

A Audiência Pública foi solicitada pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ademar Traiano, que destacou “crer que há uma boa vontade da Copel, pelos investimentos que vem fazendo e, também, por uma determinação do governador Ratinho Junior, para que se equacione esse problema (da rede elétrica do sudoeste)”.

O deputado estadual Wilmar Reichembach levantou a questão dos eucaliptos, que, muitas vezes são plantados próximos da rede elétrica da Copel e acabam sendo um fator gerador de problemas. E, ainda, pediu ao presidente da companhia uma “operação de guerra” para resolver a situação.

Em sua fala, a deputada estadual Luciana Rafagnin ressaltou que “a agricultura já enfrenta muitas dificuldades em razão de uma estiagem sem precedentes. E, o problema da energia elétrica agrava ainda mais a situação dos produtores que acabam perdendo toda a produção”.

O deputado estadual Luiz Fernando Guerra pediu que a Copel “olhe com carinho para a região sudoeste”. E, para o deputado estadual Nelson Luersen, “a Copel precisa acompanhar o crescimento da demanda por energia elétrica no Paraná”.

Por fim, o presidente da Copel ouviu a situação e respondeu aos questionamentos de vereadores, empresários e produtores rurais.

A mesa de honra foi composta pelo presidente da Amsop e prefeito de Francisco Beltrão, Cleber Fontana, presidente da Acamsop e vereador de Santo Antônio do Sudoeste, Claudio do Carmo, presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ademar Traiano, presidente da Copel, Daniel Pimentel Slaviero, diretor de regulação e gestão da Copel Distribuição, Hemerson Pedroso, deputados estaduais Wilmar Reichembach, Nelson Luersen, Luiz Fernando Guerra e Luciana Rafagnin e defensor público Eduardo Abraão.

Fonte e foto: Assessoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *