Governador autoriza diária extrajornada voluntária para Polícia Civil

O governador Carlos Massa Ratinho Junior assinou nesta terça-feira (11), em um ato no Palácio Iguaçu, o decreto que autoriza o pagamento de Diária Especial por Atividade Extrajornada Voluntária aos policiais civis do Paraná. Com a regulamentação, a instituição valoriza seu efetivo e aumenta a eficácia de atuação, contando com mais policiais aplicados e chegando a locais que têm quadro mais reduzido.

“Com essa medida, vamos conseguir aumentar em 30% o efetivo da Polícia Civil. Serão mil policiais a mais toda semana trabalhando nas investigações e auxiliando o Paraná. Em vez de complementar sua renda trabalhando fora, ele vai trabalhar para o Estado, ampliando o efetivo da Polícia Civil. Assim, aumentamos sua capacidade de investigação e de atendimento ao cidadão, além da remuneração dos profissionais da segurança pública”, afirmou Ratinho Junior.

O pagamento da diária extrajornada está previsto na Lei Estadual 19.130, sancionada em 2017, mas que aguardava regulamentação. De acordo com o decreto, a adesão será voluntária. A diária paga será de R$ 180. O policial poderá tirar até quatro escalas extras por mês, para manter o intervalo de descanso obrigatório. Assim, ele pode chegar a R$ 720 extras ao mês. De acordo com cálculos da Polícia Civil, serão investidos no efetivo cerca de R$ 5,04 milhões de junho a dezembro de 2021.

Segundo o secretário estadual da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, a assinatura é bem-vinda neste momento de pandemia. “Mais policiais civis em atuação significam um reforço em operações importantes, bem como maior celeridade nas investigações, elevando os índices de solução de crimes em nosso Estado”, explicou. O efetivo atual da Polícia Civil tem cerca de 3.800 profissionais. Com a medida, o quadro aumenta em mais mil profissionais disponíveis.

De acordo com o secretário, isso só é possível graças à sensibilidade do Governo do Estado e das secretarias envolvidas na proposta além da Sesp: a Secretaria da Administração e da Previdência e a Secretaria da Fazenda. “Esse trabalho envolve os deputados, os sindicatos e a instituição. As consequências são benéficas e já poderão ser vistas a partir de junho”, acrescentou o secretário.

Fonte e foto: Agência Estadual de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *