Entidade se pronuncia em relação a matéria sobre ritual em Ampére

A Associação Independente em Defesa das Religiões Afro Brasileiras (ASIDRAD) procurou o departamento de jornalismo da Rádio Ampére para se pronunciar em relação a uma matéria divulgada neste sábado, 6, nas nossas redes sociais (site e Facebook), sobre um ritual ocorrido em um cemitério na zona rural do município. A reportagem conversou por telefone com o presidente da entidade, Pai Tiago de Bará – Onílù, que disse não concordar com o descrito no texto.

Em nota, a ASIDRAB, por meio de sua presidência e coordenação jurídica, repudia o ato noticiado, afirmando que tal “não faz parte da ritualística da ancestralidade africana. Os objetos descartados no Cemitério Municipal citado na matéria não integram qualquer tipo de ritual religioso de matriz africana, já que os cemitérios são considerados locais sagrados de descanso dos que já partiram, não podendo ser utilizados para essa finalidade.”

O jurídico da associação destaca que independentemente da versão da ancestralidade africana, afirmar – de forma inconteste – que aquilo se trata de um ritual religioso, só faz com que extremistas nos ataquem cada vez mais. A entidade reforça ainda que aquele tipo de material, descartado no cemitério, não representa nenhum seguimento de matriz africana. Aquilo não faz parte de ritualísticas de casas e iyles sérios. Ainda diz que como a matéria foi escrita pende para o lado da intolerância religiosa, ao afirmar que aquilo se trata de ritual religioso, fazendo com que sejamos cada vez mais atacados.

A entidade também se coloca a disposição das pessoas por meio das redes sociais para esclarecer dúvidas das pessoas em relação as religiões Afro Brasileiras. O perfil no facebook é www.facebook.com/asidrab

O departamento de jornalismo da Rádio Ampére esclarece que em momento algum tentou denegrir as religiões, especialmente as Afro Brasileiras. Nossa intenção foi divulgar o fato e a posição dos moradores que residem na localidade. Quanto aos comentários expostos na publicação lamentemos as ofensas e agressões, inclusive a discriminação daqueles que seguem outras religiões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *