Criança dorme no colo de médico do Samu durante trajeto até o hospital

Uma ocorrência do final do ano passado teve uma imagem divulgada nesta semana pelo Samu, na qual mostra uma criança adormecida no colo do médico enquanto fazia o trajeto até o hospital. Foi um atendimento feito pela equipe Alfa 3, de Chopinzinho, com translado dos pacientes de Dois Vizinhos até hospital de Francisco Beltrão. Kelly Cristine Custódio dos Santos, coordenadora-geral do Samu 192, diz que existem protocolos, treinamentos, técnicas e a forma ideal de se trabalhar. Mas também há os imprevistos, o diferencial, a necessidade do paciente.

Nessa situação, após um acidente de trânsito, havia duas crianças que seriam transferidas. Um estava na maca, estável. Já a irmã, menor, estava muito agitada, com medo, após passar por um estresse traumático. Em conjunto com o pai das crianças, foi decidido que melhor do que usar a contenção, seria usar o acolhimento.

“Esse é o diferencial, essa é a humanização, o olhar humano que faz a diferença na hora do atendimento. Geralmente o atendimento pré-hospitalar é rápido, não gera vínculos com os pacientes. Mas quem é atendido muitas vezes, no pior momento de sua vida, jamais esquece e nossas equipes prezam pela empatia e humanização, o que faz toda diferença”, comenta Kelly. O protocolo é que o paciente sempre esteja na prancha imobilizado, mas diante na necessidade da criança entendeu-se que o melhor seria o carinho.

O acidente provocou a morte da avó e da tia das crianças. A mãe não estava junto no momento, pois viajava para o Mato Grosso. A criança maior de uns 7 anos tinha um sangramento, e a menor, de uns 4 anos, estava muito agitada na maca. “Entre conter a criança, fazer uma restrição, aí eu entendi com o pai que um pouco de carinho poderia acalmar, até porque imagina o estresse pós-traumático dessas crianças. Coloquei ela no meu colo e abracei, ela se acalmou de tal forma que dormiu. E essa foi uma transferência que deu tudo certo, chegamos ao Regional com os pacientes bem e o menino foi prontamente operado”, recorda o médico que fez o atendimento.

Fonte: Jornal de Beltrão – Foto: Assessoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *