Beltrão se tornará referência, também, na área da cardiologia

A construção de um novo espaço junto ao Hospital Regional do Sudoeste permitirá a implantação de mais um serviço de saúde na rede pública da microrregião: a unidade receberá um centro de hemodinâmica. No local, será possível atender casos eletivos e emergências cardiológicas dos municípios da região, o que deve reduzir os riscos e dar mais chances aos pacientes.

O dr. Gustavo Vicenzi, coordenador regional da Associação Médica do Paraná, explica que atualmente os pacientes do SUS são enviados a cidades como Pato Branco para realizar os procedimentos e o tempo de deslocamento é crucial. “Em casos de infarto e de angina – as principais emergências da Hemodinâmica –, a sobrevida diminui com o passar de cada hora. Ou seja, o tempo é fundamental para a recuperação do paciente.”

A Hemodinâmica é uma área ligada à cardiologia e que realiza exames de imagem contrastados. Isso permite ao profissional médico acompanhar em tempo real o que está acontecendo no organismo e agir com mais rapidez e precisão no tratamento e diagnóstico. “É uma área da Medicina que vem se desenvolvendo nos últimos 50 anos e que tem contribuído significativamente com a queda dos índices de mortalidade no tratamento de patologias como infarto, angina e AVCs”, complementa o médico.

Em Francisco Beltrão, este tipo de serviço já é oferecido, mas somente na rede privada ou conveniada. O coordenador administrativo da ARSS (Associação Regional de Saúde do Sudoeste), Helton Pfeifer, considera o centro de hemodinâmica uma das principais demandas da saúde pública da região. “Os problemas cardiológicos são uma das comorbidades com maior incidência na microrregião, temos uma média de atendimentos maior que outras regiões e o serviço de Pato Branco não consegue suprir toda a demanda, então é um investimento que se justifica”, comenta.

Atendimentos em Pato Branco
Somente no ano passado, 499 pacientes da microrregião tiveram que se deslocar até a Policlínica Pato Branco para realizar cirurgias cardíacas ou cateterismos. São disponibilizadas, em média, dez consultas iniciais e 15 de retorno para os moradores de municípios da 8ª Regional de Saúde.

Investimento de R$ 6 milhões
Para tirar o novo serviço do papel, o Governo do Estado vai investir mais de R$ 6 milhões na ampliação do hospital. O centro de hemodinâmica será construído na lateral da unidade, onde hoje existe uma área de estacionamento. A obra só depende da assinatura da ordem de serviço para iniciar e terá mais de 2 mil m², com previsão de conclusão em um ano.

Serviço estava previsto
A implantação do centro de hemodinâmica já havia sido pensada desde a criação do HRS, segundo o médico Badwan Jaber, delegado do CRM (Conselho Regional de Medicina) para a região e ex-diretor do hospital. “Alguns empecilhos impediram sua implantação, principalmente a falta de uma área física na estrutura do hospital”, relembra. Dr. Badwan acredita que o serviço será um grande avanço. “Sem dúvida, um serviço público de hemodinâmica na nossa região trará maior resolutividade, o que nos torna menos dependentes de serviços externos de saúde.”

Fonte e foto: Jornal de Beltrão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *