Saúde reforça importância do diagnóstico e tratamento da tuberculose

A Secretaria de Estado da Saúde promoveu nesta segunda-feira (22) evento virtual com profissionais das suas Regionais e da Vigilância Epidemiológica dos municípios para reforçar a importância do diagnóstico e tratamento da tuberculose.

Quarta-feira, 24 de março, é o Dia Mundial de Combate à Tuberculose. “Alertamos os profissionais que atuam na área e a população sobre a importância do diagnóstico diferencial da doença e a necessidade de se manter o cuidado das pessoas infectadas, incentivando os pacientes a seguirem com o tratamento”, disse o secretário estadual da Saúde, Beto Preto. “Muitas vezes observamos que este tratamento é abandonado. Lembramos que a tuberculose é insidiosa, é grave e pode matar. Mas é uma doença passível de ser debelada ou diminuída”, explica.

“Estamos num trabalho forte no Estado do Paraná diante da pandemia da Covid-19, com mais de 4 mil leitos ativados para tratamento exclusivo da doença. Mas também estamos atentos em relação a outros agravos, lembrando que na hora que a imunidade se fragiliza é que as doenças tomam lugar. Este é um momento de reflexão de todos sobre os cuidados com a saúde”, reforçou o secretário.

DADOS – No Brasil foram diagnosticados mais de 70 mil casos novos de tuberculose em 2019, com incidência de 35,0/100 mil habitantes. No Paraná observa-se que em 2020 houve uma redução de 5,8% no diagnóstico de casos novos de tuberculose, em comparação com 2019. Foram 2.220 casos novos que correspondem a incidência de 19,4/100 mil habitantes.

O número de casos em retratamento manteve-se estável em comparação com os anos anteriores, em torno de 260. Houve redução de 15,8% no número de óbitos pela doença como causa básica, de 158 em 2019 para 133 em 2020.

No entanto, análise de tendência linear da taxa de mortalidade demonstra alta nos últimos anos. O secretário Beto Preto ressalta que o óbito por tuberculose é considerado evitável. “É uma doença que pode ser prevenida através da vacina BCG e tratamento da infecção latente, tem diagnóstico sensível a atenção primária em mais de 80% dos casos e tratamento gratuito disponível pelo SUS para toda a população”, disse ele.

REGIONAIS – As Regionais de Saúde que apresentaram maior percentual de redução de diagnósticos de casos novos foram a de Cornélio Procópio (39,1%); a de Paranaguá, (31,1%) e a de Foz do Iguaçu (30,4%). Porém, em quatro regionais foi identificado aumento de mais de 20% nos casos novos com destaque para Irati com aumento de 75% em decorrência do trabalho de busca ativa no sistema prisional.

A representação da população privada de liberdade (PPL) entre os casos de Tuberculoso (novos e mais retratamentos) cresceu quase 60% de 2015 a 2020 no Paraná. Foi observado aumento significativo também entre a população em situação de rua, com 65% no mesmo período.

Fonte e foto: Agência Estadual de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *