Trecho entre Pato Branco e Lapa pode ser incluído na proposta de pedágio, diz Cacispar

O G7, grupo das principais entidades do setor produtivo paranaense se reuniu com técnicos do Ministério da Infraestrutura para debater o modelo de pedágio. Foi a última reunião técnica relacionada ao Lote 6, que inclui as rodovias do Sudoeste do Estado, entre outras. Lideranças políticas e empresariais da região participaram do encontro, de forma on-line.

O presidente da Cacispar (Coordenadoria das Associações Comerciais e Empresariais do Sudoeste do Paraná), Paulo Sergio Bueno, foi um dos participantes e defendeu pontos já apresentados em conjunto por entidades do Sudoeste.

“Como já havíamos alinhado, solicitamos o contorno de Marmeleiro, o trevo de acesso ao município de Realeza e à UFFS [Universidade Federal da Fronteira Sul] e a inclusão do trecho entre Pato Branco e Palmas”, relata o presidente da Cacispar.

A reunião com os técnicos do Ministério da Infraestrutura foi mediada pelo engenheiro João Arthur Mohr, gerente de Assuntos Estratégicos da Fiep. “Os técnicos responderam a todas as perguntas e mostraram-se abertos a sugestões. O encontro foi produtivo e acredito que boa parte das reivindicações serão concedidas”, acredita Paulo Bueno.

Novo lote para concessão
O presidente da Cacispar observa que os técnicos do Ministério pensam em uma alternativa para a inclusão do trecho entre Pato Branco e Palmas, com a criação do Lote 7, que abrangeria o percurso entre Pato Branco e a Lapa, passando por General Carneiro, União da Vitória e São Mateus do Sul. E abrangendo trechos da PR-280, BR-153 e BR-476. O percurso tem cerca de 380 km.
“Seria algo muito positivo para a nossa região, com praticamente todo o corredor até Curitiba sendo contemplado e com as conexões para Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Pode ser a solução do grande problema do Sudoeste, a conservação das pistas, com reflexos na logística e na segurança”, avalia Paulo.

A criação do novo lote pode ser uma alternativa de contemplar o pedido de entidades da região para incluir, na concessão, o trecho de Pato Branco ao trevo do Horizonte, na divisa de Palmas e General Carneiro, com pedágio somente de manutenção. Inicialmente este e outros trechos da região foram estudados, mas como o baixo volume de tráfego tornou a inclusão na proposta inviável.

Redução de tarifas e revisão do modelo
O modelo de concessão das rodovias e o valor das tarifas não foram incluídos na pauta da reunião com o Minfra, mas há um movimento paralelo para a redução das tarifas e revisão do formato de concessão, com ações junto ao Governo do Estado e deputados federais. A Cacispar e as demais entidades envolvidas no debate estão alinhadas e trabalhando de forma conjunta com as lideranças políticas paranaenses.

Fonte e foto: Jornal de Beltrão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *