Mais uma captação de órgãos é feita no Hospital Regional do Sudoeste

Na manhã desta terça-feira (15), um King C90, aeronave da frota do Estado, transportou órgãos para transplante, de Francisco Beltrão, no Sudoeste do Paraná, para Curitiba. Os rins, fígado e coração de um homem de 49 anos, morador da cidade, cuja doação foi autorizada pela família, salvarão a vida de até cinco pessoas.

O transporte durou cerca de 1 hora, e precisou ser ágil para que os órgãos estivessem em condições favoráveis aos transplantes. “O transporte precisa ser rápido, os órgãos têm tempo limite para serem transplantados”, diz Juliana Giugni, coordenadora do Sistema Estadual de Transplantes do Paraná (SET-PR). “O fígado tem até 12 horas entre a retirada do doador até o transplante no receptor, o coração tem o limite de 4 horas e o rim de até 36 horas”, explica,

“Hoje a divisão de transporte aéreo da Casa Militar do Paraná realizou mais um voo em apoio à central de transplantes para captação de órgãos na cidade de Francisco Beltrão. Isso reduziu o tempo de transporte, levando esperança para quem precisa”, disse o comandante da aeronave, Fernando Camargo.

Assim que a avião pousou no Aeroporto do Bacacheri, em Curitiba, o fígado foi levado para o Hospital Angelina Caron, em Campina Grande do Sul, onde foi iniciado o transplante em uma mulher de 60 anos, por volta de 13h30. Os rins foram levados para a Central Estadual de Transplante do Paraná para passar por um teste de compatibilidade entre o doador e o novo receptor. Assim que os resultados estiverem prontos, os órgãos serão encaminhado para hospitais à espera do transplante.

No caso do coração, não foram encontrados pacientes compatíveis para o recebimento do órgão. Ele será levado para o banco de tecidos, no Hospital Evangélico Mackenzie, que fará uma análise e, a depender do resultado, o encaminhará para o transplante de valvas cardíacas. Podem ser beneficiados até dois transplantados de qualquer idade. As valvas podem ficar armazenadas no banco por um período de até seis meses.

EXCELÊNCIA – Reconhecido como referência no Brasil em doações de órgãos, o Paraná fechou 2021 com 36 doações de órgãos por milhão de população (pmp). Foram 412 doações efetivas, que resultaram em 1.457 transplantes de órgãos e tecidos e nove transplantes de coração. Os dados são do Sistema Estadual de Transplantes do Paraná (SET-PR), da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). No total, o Paraná teve 1.253 notificações de potenciais doadores em 2021.

Outro destaque na área foi que, em 2020, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), o Hospital Pequeno Príncipe (HPP), em Curitiba, voltou a realizar transplante pediátrico hepático (fígado). O procedimento em crianças abaixo de cinco anos não era feito desde 2015 no Estado.

ESTRUTURA – O Estado conta com uma Central Estadual de Transplantes localizada em Curitiba, além de quatro Organizações de Procura de Órgãos (OPOs) – na Capital, Londrina, Maringá e Cascavel. Estes centros trabalham na orientação e capacitação das equipes distribuídas em 67 hospitais do Paraná, que mantêm Comissões Intra-Hospitalares de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT).

“É um trabalho muito importante, tem fila muito grande de pacientes que estão à espera de um órgão e, nos últimos anos, com a pandemia, sofreu um impacto na doação, porque pacientes com diagnóstico de Covid não puderam ser doadores”, disse Juliana Giugni.

Ao todo, são cerca de 700 profissionais envolvidos, entre eles 23 equipes de transplante de órgãos, 25 centros transplantadores de córneas e quatro bancos de córneas em atividade – Curitiba, Londrina, Maringá e Cascavel.

Fonte e foto: Agência Estadual de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *