Com novas doses, Paraná avança na vacinação de idosos e profissionais da segurança

A imunização de pessoas a partir de 60 anos prossegue no Paraná com 309,2 mil novas doses de vacinas contra o coronavírus enviadas pelo Ministério da Saúde ao Paraná na manhã desta quinta-feira (29). O 15º lote é composto por 303.000 doses da Covishield, da Universidade de Oxford/Astrazeneca/Fiocruz, e 6.200 doses da Coronavac, fabricada pelo Instituto Butantan/Sinovac.

As doses chegaram ao Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba, por volta das 10 horas e foram encaminhadas ao Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar). Dali, os imunizantes serão distribuídos a partir das 8 horas desta sexta-feira (29) às 22 Regionais de Saúde do Estado por via terrestre (Regionais de Paranaguá, Metropolitana, Ponta Grossa, Irati, Guarapuava, União da Vitória, Pato Branco, Francisco Beltrão, Londrina, Telêmaco Borba e Ivaiporã) e aérea (Regionais de Foz do Iguaçu, Cascavel, Campo Mourão, Umuarama, Cianorte, Paranavaí, Maringá, Apucarana, Cornélio Procópio, Jacarezinho e Toledo.

Os quantitativos de doses por regional serão divulgados em breve.

Toda a remessa recebida é destinada às primeiras doses de grupos prioritários cuja imunização já está em andamento. As doses da Coronavac são todas indicadas a pessoas de 60 a 64 anos. São 5.581 doses para o grupo, o equivalente a 1% do total de pessoas da faixa etária. As demais recebidas são destinadas à reserva técnica.

As vacinas da Covishield, por sua vez, são destinadas a dois grupos prioritários: além de 48% do total de idosos entre 60 e 64 anos, abarcados por 270.380 doses, mais 2.277 doses são indicadas a 6% do total de trabalhadores das forças de segurança, salvamento e Forças Armadas. As doses restantes também são armazenadas como reserva técnica.

“Mesmo com indicadores melhores, nossos hospitais continuam cheios e os cuidados contra o coronavírus têm que ser mantidos”, afirmou o secretário estadual da Saúde, Beto Preto. “A orientação que temos dado a todos os municípios é que sigam muito claramente o que está preconizado no Plano Nacional de Imunização, e que evitem usar a segunda dose como primeira para que não falte para quem precisa tomar o reforço”.

Fonte e foto: Agência Estadual de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *