Campus Realeza da UFFS contribui no diagnóstico de doenças em animais

Entre os diversos serviços prestados pelo Hospital Veterinário da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Realeza, está o projeto de extensão de Serviço de Diagnóstico Anatomopatológico, que auxilia no diagnóstico de doenças, avaliando a gravidade de enfermidades, bem como nas medidas de controle e preventivas. Esse trabalho facilita a prestação de assistência médica veterinária a animais de produção, companhia e silvestres, além de detectar doenças que podem ser transmitidas para os humanos, como a brucelose, a tuberculose e a raiva.

O projeto analisa tecidos e órgãos de animais que passaram ou irão passar por algum procedimento cirúrgico no Hospital Veterinário Universitário. O objetivo é encontrar alterações macro ou microscópicas para determinar as causas da enfermidade e, assim, contribuir no tratamento ou mesmo evitar que outros animais fiquem doentes. A depender do caso, o material para análise também pode ser coletado em visitas a campo, conforme a disponibilidade da professora e do técnico envolvidos com o projeto. O serviço de diagnóstico é um dos oito projetos de extensão que integram o programa de prestação de serviços médicos veterinários e treinamento acadêmico realizados no Hospital Veterinário da UFFS.

“Os exames são utilizados como auxílio ao diagnóstico de enfermidades, além de servir como avaliação da gravidade de doenças, das respostas a tratamentos e de prognóstico. Os procedimentos também possuem importância na avaliação pré-cirúrgica, para investigação da sanidade do animal, além de serem ferramentas para pesquisas na área de medicina veterinária”, destacou a coordenadora do projeto, professora Fabiana Elias.

Investigar os motivos que levaram um animal à morte é outro objetivo do projeto. Este trabalho é chamado de necropsia e pode ser realizado tanto no Hospital Veterinário, como em visitas a campo, conforme a disponibilidade. “A necropsia é uma ferramenta importante e de baixo custo para o diagnóstico de doenças que acometem os animais. Muitas vezes, no caso da análise ser realizada na propriedade rural, o produtor já recebe as primeiras orientações para solucionar o problema, evitando assim outros prejuízos ao rebanho”, explicou Fabiana.

Entre os diversos atendimentos já realizados na comunidade, as doenças mais frequentemente encontradas em bovinos, por exemplo, são as úlceras de abomaso (lesões do sistema digestório), retículo pericardite traumática (lesões cardiotorácicas), peritonite (inflamação da membrana que reveste as paredes do abdômen e os órgãos), a leucose (doença infecto-contagiosa) e a Tristeza Parasitária Bovina. “Cada uma dessas doenças exige um cuidado a ser verificado pelo produtor, passando pelo manejo de pastagens, alimentação ou administração de medicamentos. É importante que o produtor tome as devidas providências sempre orientado por um médico veterinário”, alertou Fabiana.

O projeto também promove a formação acadêmica, já que estudantes do curso de Medicina Veterinária auxiliam na realização das análises. A acadêmica Bárbara Cardoso de Oliveira atuou por um ano no projeto e fala como os estudos em patologia, área do conhecimento que se dedica ao estudo das doenças, contribuíram para sua formação: “Quando não sabemos o que está acontecendo dentro de um tecido ou órgão do animal, por meio da patologia conseguimos elucidar o caso. Já tive experiência com análises de úteros, ovários, necropsia a campo, entre outros. Por meio dessas análises, conseguimos auxiliar no diagnóstico e aprendemos, na prática, a unir tudo o que estudamos ao longo da graduação”.

O programa de extensão de prestação de serviços médicos veterinários inclui ainda os serviços de Clínica Cirúrgica Animal, Diagnóstico por Imagem Veterinário, Anestesiologia Veterinária, Atendimento de Clínica Médica de Pequenos Animais, Projeto PetMama, produção de biogel em terapias regenerativas e Laboratório diagnóstico temporário de RT-PCR para covid-19 em seres humanos.

Fonte e foto: Ariel Tavares/Assessoria UFFS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *