Your API key has been restricted. You may upgrade your key at https://www.weatherbit.io.
Your API key has been restricted. You may upgrade your key at https://www.weatherbit.io.

ARTE EM CIRCULAÇÃO: AMPÉRE RECEBE ESPETÁCULO KAZA DA TECER TEATRO

O drama dos refugiados é o tema central do espetáculo Kaza, solo interpretado pela atriz Fabiana Ferreira da Tecer Teatro (Curitiba), que será apresentado em Ampére, dia 12 de maio, às 19h30, no Anfiteatro Municipal Professora Ana Maria Basso. A entrada é gratuita.

‘Kaza’, inspirado em experiências de pessoas em situações extremas e na luta pela dignidade humana, irá circular entre maio e junho por oito municípios do Paraná. A montagem que já passou por cidades do Paraná, Santa Catarina e Rio de Janeiro é de 2018 e será apresentada, além de Ampére, em: Renascença, Marmeleiro, Mandaguaçu, Faxinal, Marilândia do Sul e Araruna. Esta circulação que começou em Chopinzinho foi viabilizada por meio do Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura (PROFICE) da Secretaria de Cultura do Paraná.

As apresentações, 25 ao todo, são totalmente gratuitas com sessões abertas ao público e também direcionadas para os alunos da rede pública de ensino de cada cidade, mediante agendamento das escolas. Os estudantes terão ainda a oportunidade de participar sem custo, por meio da própria escola, de uma oficina de teatro oferecida pela companhia. ‘O Jogo Cênico como Motivação para a Descoberta do Teatro’ será ministrada pelo ator Thadeu Peronne, em cada município.

Kaza não trata apenas de situações de guerra ou de exílio. De acordo com a diretora, Cristine Conde, é sobre ter que partir, sobre perdas e suas consequências, em como sobreviver a essas experiências. Perder a família, um filho, a terra, a cultura. Ser obrigado a deixar seu país, sua cidade, a língua natal, o emprego, a casa. Sua história, seu passado e tudo o que nos representa. Os planos para o futuro, o sonho e a esperança. Perder o chão, perder o norte. Sobre morrer e renascer. Ou morrer em vida.

A incomunicabilidade é outra questão que o espetáculo aborda, a personagem, movida pelo medo e pelo instinto de sobrevivência, tenta se comunicar, mas não é compreendida, apesar de falar em 11 línguas diferentes. O texto é mínimo, a fisicalidade é o que caracteriza o trabalho em cena. O som e a palavra ora se manifestam quase como um grito impossível de conter ora como um lamento. A música, especialmente composta para o espetáculo e executada ao vivo, acompanha a movimentação e a dinâmica da cena conduzindo o desenrolar da história e funcionando como um elemento de conexão entre o ator, o espectador e o drama.

Para Fabiana a personagem é uma sobrevivente, que luta pela vida em meio aos mortos, as peças de roupas que compõem o cenário, assinado pela diretora, representam essas pessoas e suas histórias. “São como peles com as quais a personagem tenta se reconstruir. Nossa intenção com este projeto é dar visibilidade para essas pessoas traumatizadas pelo sofrimento e desespero. Afinal, o que sobra, quando perdemos tudo o que amamos? Kaza aponta para o caminho da luta e da transcendência”, finaliza.

Projeto viabilizado por meio do Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura – PROFICE da Secretaria de Estado da Cultura /Governo do Estado do Paraná. Apoio: Copel

Apoio Institucional:  Prefeituras Municipais de Chopinzinho, Ampére, Renascença, Marmeleiro, Mandaguaçu, Faxinal, Marilândia do Sul e Araruna.

Fonte: Assessoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *