Pai e filha caem em golpes diferentes e perdem R$ 16 mil

Um idoso de 85 anos, morador do Bairro Cristo Rei, em Francisco Beltrão, caiu no golpe do cartão clonado, no final do mês de abril, e perdeu R$ 11.500. O golpe é muito mais comum do que se imagina e somente naquela semana um representante de uma agência bancária do município informou que 12 pessoas tinham sido vítimas da mesma falcatrua. O golpe começa com uma simples ligação ou mensagem.

Os criminosos costumam se passar por atendentes da central de segurança do banco, que ligam ou escrevem para confirmar uma compra suspeita feita no cartão de crédito. A vítima diz que não reconhece o gasto e o fraudador afirma que, então, o cartão foi provavelmente clonado. O golpista solicita todos os dados pessoais e repassa um código para a vítima, dizendo que uma pessoa do banco irá até sua casa para resgatar o cartão de crédito.

A principal tática dos golpistas é criar um senso de urgência, dizendo que o cartão precisa ser recolhido o quanto antes, ou então a pessoa terá que arcar com alguma despesa.No caso em questão, fizeram o saque de R$ 5 mil em dinheiro e na sequência efetuaram várias compras com o cartão da vítima. O prejuízo poderia ter sido maior não fosse a família se atentar e ligar rapidamente na agência bancária para cancelar o cartão.

Um dia antes do idoso cair no golpe do cartão, a filha dele também foi vítima de estelionatários, mas em uma artimanha diferente. Ela entrou em contato com uma financeira para quitar um financiamento, logo em seguida um suposto funcionário da empresa, com telefone usando prefixo de São Paulo, lhe enviou um link para imprimir os boletos e quitar a dívida.

Ela entrou no site (que tinha a aparência da empresa oficial, mas era falso), imprimiu três boletos no valor de R$ 2 mil e pagou. Acreditando ter quitado a dívida, ela ficou tranquila, só depois de alguns dias, quando entraram em contato cobrando uma parcela em atraso, é que ela se deu conta do golpe.

Fonte: Jornal de Beltrão – Foto: Reprodução internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *