Pedra fundamental marca lançamento da duplicação da Rodovia das Cataratas

quinta-feira, 27 agosto 2020 | 13:12 PM

O presidente Jair Bolsonaro e o governador Carlos Massa Ratinho Junior lançaram nesta quinta-feira (27), em Foz do Iguaçu, a pedra fundamental da duplicação da Rodovia das Cataratas (BR-469), do trevo de acesso à Argentina até a entrada do Parque Nacional do Iguaçu. A cerimônia concretiza a obra de 8,7 quilômetros.

A intervenção será financiada quase integralmente pela Itaipu Binacional (R$ 136,3 milhões dos R$ 139,4 milhões necessários). O restante será bancado pelo Governo do Estado. Os termos assinados foram a delegação de gestão do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR), e o convênio entre Itaipu e DER-PR.

O presidente Jair Bolsonaro destacou o potencial turístico da região e disse que a obra se insere no contexto de grandes investimentos da Itaipu Binacional em infraestrutura, que somam perto de R$ 1 bilhão na região. “A gestão da Itaipu tem sido bem administrada e há sobra de recursos para investir em obras nesse canto maravilhoso do Estado e do País, onde estão as Cataratas do Iguaçu, uma das maiores belezas naturais do mundo”, disse o presidente.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior destacou que as obras da Rodovia das Cataratas vão potencializar o turismo no Oeste do Paraná e ajudar a recuperação do setor depois da pandemia. “É mais um reconhecimento do governo federal à importância do Paraná e de Foz do Iguaçu para o País. Estamos modernizando juntos a infraestrutura do Estado”, afirmou. Ele citou, ainda, as parcerias na segunda ponte entre Brasil e Paraguai e na ampliação da pista do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu.

ACESSO ÀS CATARATAS – A BR-469 é a única via de acesso às Cataratas do Iguaçu e ao aeroporto e o mais importante corredor turístico da cidade. O projeto executivo foi financiado pelo Fundo Iguaçu, gestão integrada das taxas espontâneas de visitação dos turistas que passeiam na Itaipu Binacional, Parque Nacional do Iguaçu e Marcos das Três Fronteiras. Ele está sendo revisado por uma empresa contratada por Itaipu. Esse trabalho será encerrado em outubro. O Dnit também fará uma nova revisão no projeto antes de liberar o certame.

A expectativa é que a licitação seja feita ainda em 2020 e que as obras iniciem no primeiro semestre de 2021. O contrato deve prever 36 meses até a conclusão.

Segundo o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, a duplicação encerra uma demanda de 20 anos dos moradores de Foz do Iguaçu e do setor empresarial ligado ao turismo. “Estamos utilizando recursos de Itaipu em ações estruturantes, que vão ficar como legado para a população do Paraná. Essa obra vai aumentar o potencial turístico de Foz do Iguaçu”, afirmou.

O ministro disse, ainda, que a duplicação se alinha aos outros investimentos planejados para remodelar a infraestrutura do Paraná. “Juntamente com Estado estamos desenvolvendo o maior programa de concessão rodoviária da história do País. Serão R$ 75 bilhões investidos nos próximos 30 anos, 2,4 mil quilômetros de novas duplicações e menos tarifas de pedágio. Vamos curar a ferida do Anel de Integração. E ainda tem o ramal ferroviário da Ferroeste que vai de Maracaju, no Mato Grosso do Sul, até Paranaguá”, disse. “É um Estado de grandes cooperativas”.

SEGUNDA PONTE – Outra obra emblemática na cidade é a segunda ponte entre Brasil e Paraguai, também financiada pela Itaipu. São 760 metros de distância entre uma cabeceira e outra, um novo marco arquitetônico e logístico do Paraná. Os trabalhos já ultrapassaram 30%. A segunda ponte internacional sobre o Rio Paraná e a nova perimetral até a BR-277, que acompanha a obra, terão investimentos de R$ 463 milhões.

A nova ponte terá vão-livre de 470 metros, o maior da América Latina. Serão duas pistas simples com 3,6 metros de largura, acostamento de 3 metros e calçada de 1,70 metro nas laterais. A previsão é que a obra seja entregue em 2022. Ela será maior que a Ponte Internacional da Amizade e está localizada cerca de 10 quilômetros abaixo dela, em direção ao Rio Iguaçu.

A perimetral que faz parte da obra vai permitir que caminhões procedentes da Argentina e do Paraguai acessem diretamente a BR-277 na altura do Posto Paradão, reduzindo o fluxo de veículos pesados na área urbana de Foz do Iguaçu. A ponte também terá acesso facultado a veículos menores e turistas. A perimetral do lado brasileiro está prevista para começar em outubro e inclui toda a estrutura necessária para a aduana na chamada zona primária.

Fonte: Agência Estadual de Notícias

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *