Participação da produção agropecuária do Sudoeste chega a 12% no Estado

segunda-feira, 24 agosto 2020 | 09:35 AM

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) do Sudoeste do Paraná de 2019 teve um incremento de 3,21% se comparado com o de 2018. O VBP é um dos índices que compõem o fundão do ICMS, do governo do Estado, que repassa valores mensais para os municípios conforme a movimentação financeira dos setores agropecuário e comercial. As regiões com maior participação no VBP em 2019 foram, respectivamente, Oeste (23%), Norte (14%), Sudoeste (12%) e Noroeste (9%).

Em 2018, o VBP da região somou R$ 11,5 bilhões (valor arredondado), em 2019 o total foi de R$ 12,1 bilhão (valor arredondado). O aumento foi de R$ 513.607.000, ou seja, pouco menos do que foi o VBP do município de Pato Branco, de R$ 510 milhões (valor arredondado). O destaque no índice foi para o município de Dois Vizinhos, que superou R$ 1 bilhão.

A Seab divulgou o relatório provisório do VBP e as prefeituras ainda podem avaliar os dados e valores e apresentar contestação até o dia 31 de agosto. Posteriormente, será publicada a tabela oficial que segue para a Secretaria de Estado da Fazenda para a elaboração do fundão do ICMS e a definição dos valores de repasses do imposto para cada município no exercício financeiro de 2021.

Avicultura, o destaque
Novamente a avicultura foi o destaque na região. Antoninho Fontanella, técnico do Deral-Seab, Núcleo de Francisco Beltrão, diz que a produção de frangos foi responsável por 23% VBP da região de Beltrão-Dois Vizinhos.

Mas ele observa que se for somada a produção de frangos, de ovos para consumo humano, de pintainhos e cama de aviário, que serve como adubo orgânico, a participação da avicultura chega a 42%. Antoninho relata que nos últimos anos a avicultura saltou de 30% para 42% em participação no VBP. “Cresceu muito a produção de aves de postura para produção de ovos e pintainhos”, frisa o técnico.
A produção de ovos para consumo humano e de pintainhos também tem grande importância para a economia. As empresas Pluma, Sadia, Carminatti, Gralha Azul, Avícola Pato Branco e Granja Real produzem grandes quantidades de ovos em granjas de vários municípios.

Roberto Pécoits, diretor da Gralha Azul Avícola, de Francisco Beltrão, salienta que esta é a atividade mais importante da região, com seis grandes frigoríficos e mais de 2.500 avicultores integrados e seis empresas que produzem ovos. “Pelo resultado do valor bruto da produção pode-se ver a importância do segmento. Os políticos deveriam dar uma olhadinha com mais carinho [para esta atividade]”, salienta.

Perdas com o peru
O desempenho da agropecuária regional poderia ter sido ainda melhor em 2019, não fosse a suspensão dos abates de perus ocorrida em agosto de 2018 na unidade da BRF de Francisco Beltrão. Ricardo Kaspreski, agrônomo do Deral/Seab de Beltrão, diz que a paralisação da atividade “comprometeu o VBP de 2019, reduzindo em R$ 153.247.734,00”.
As cadeias de suinocultura, avicultura, pecuária leiteira e de corte e grãos são as principais em produção no Sudoeste. “Essas cinco cadeias respondem por 75 a 76% da produção, diz Antoninho Fontanella.

Queda na produção de leite
A produção de leite teve uma pequena queda, de 1,2 bilhão para 1.140 bilhão de litros. Mas a região se mantém em primeiro lugar no Paraná em produção. Valdomiro Leite, gerente regional da Latco e diretor do Sindicato das Indústrias Lácteas do Paraná (Sindilete-PR), cita dois fatores para esta redução: a saída de pequena parcela de produtores e um pouco de queda na produção. Em decorrência das instruções normativas 75 e 76, do Ministério da Agricultura e Pecuária, no ano passado, pessoas de idade mais avançada que se dedicavam à pecuária leiteira acabaram deixando a atividade. Para se manter, elas teriam que fazer alguns investimentos visando a melhoria da qualidade do leite. Valdomiro, no entanto, ressalta que a atividade continua “muito significativa” para a região.

Ricardo Kaspreski destaca que a produção de silagem, feita a partir da trituração das plantas de milho, responde por 6,94% do VBP, alavancada principalmente pela forte produção do leite. A silagem é fornecida para a alimentação do gado leiteiro nos meses de outono e inverno e ajuda a aumentar a produção.

Na região de Beltrão-Dois Vizinhos o VBP saltou de R$ 7,1 bilhão para R$ 7,6 bilhões, um aumento de 7,5% entre 2018 e 2019. “Eu diria, assim, que foi um aumento razoável, até porque nós temos que existem vários municípios que aumentaram mais que isso e uns acabaram caindo, dependendo das cadeias produtivas que estão sendo desenvolvidas em cada município”, analisa Antoninho.

Fonte: Jornal de Beltrão

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *