Número de crianças infectadas com Covid-19 cresce 349% no Paraná

terça-feira, 28 julho 2020 | 08:19 AM

Embora representem apenas 4,7% dos casos confirmados de Covid-19 e também sejam a faixa etária menos afetada pela doença, o avanço da pandemia de coronavírus entre crianças vem causando preocupação no Paraná. Conforme dados da Secretaria da Saúde (Sesa), entre junho e julho houve um aumento de 349,69% no número infecções pelo novo coronavírus entre pacientes com até nove anos de idade: em 26 de junho eram 481 casos confirmados, enquanto no último dia 26 (domingo) já eram 3.124.

No Hospital Pequeno Príncipe, referência no atendimento a crianças e adolescentes, o infectologista pediátrico Victor Horácio de Souza Costa Júnior comenta que essa alta nas contaminações tem se traduzido também em maior demanda por atendimento. Desde o dia 4 de março, 355 pacientes do hospital foram investigados com suspeita de Covid-19, sendo que 267 (75% do total) precisaram de internamento. Do total de casos investigados, 47 testaram positivo para o novo coronavírus, sendo que onze seguem internados, 15 estão em isolamento domiciliar, 19 estão recuperados e, infelizmente, dois foram a óbito.

“É uma quantidade [de casos] não tão grande quanto em adultos, mas de três semanas para cá começamos a ter um perfil epidemiológico de crianças se contaminando em casa”, comenta o Doutor Victor. “Isso reforça a necessidade dos pais realizarem também o controle no ambiente doméstico, com uso do álcool em gel, ventilação adequada. Hoje estamos com quatro crianças em ventilação mecânica na UTI, sendo que dois são irmãos, o que mostra como é preocupante esse contágio domiciliar”, reforça o médico.

Ainda segundo o especialista, o principal problema tem sido o descuido dos pais e responsáveis no ambiente doméstico com relação às medidas de prevenção e higiene e também o excesso de saída dos responsáveis pelos pequenos, o que aumenta o risco de alguém ser infectado e também contaminar os outros em sua volta.

“Em redes sociais, vemos pais dando festinha em casa para criança reencontrar amigo da escola, churrasco em casa. O controle da doença se dá pelo isolamento e distanciamento social, não se faz festinha em casa. É uma doença que está demorando para baixar o pico e o comportamento da população é fundamental nesse controle”, alerta o especialista, fazendo ainda um apelo aos pais.

“Os pais têm de entender que é preciso ficar em casa. A Covid é uma doença grave, que faz insuficiência respiratória grave em criança, não tem vacina, não tem nenhum remédio com eficácia comprovada. Mas se fizer isolamento social, mantiver o distanciamento individual, utilizar álcool em gel e higienizar as mãos, evita a contaminação”.

Fonte: Portal Bem Paraná – Foto: Reprodução internet

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *