Governo articula programa para ingresso de jovens no mercado de tecnologia

sexta-feira, 11 setembro 2020 | 13:10 PM

O Governo do Estado é o articulador de uma iniciativa tocada pelo Senac (Serviço Nacional do Comércio) para contratação de jovens aprendizes para empresas de base tecnológica ou interessadas em inovação. O lançamento oficial do programa aconteceu nesta quinta-feira (10), no Palácio Iguaçu, e contou com participação do vice-governador Darci Piana.

O Melhor Aprendiz TECH será executado pelo Senac e abrirá turmas em Curitiba, Ponta Grossa, Londrina, Maringá, Pato Branco, Francisco Beltrão, Cascavel e São José dos Pinhais, cidades que têm vocação na área tecnológica e em ecossistemas de inovação. As vagas serão abertas para as empresas, que devem fazer a seleção dos aprendizes e encaminhá-los ao Senac. A formação acontece em paralelo ao trabalho na empresa.

A primeira fase terá início já em outubro de 2020. Serão disponibilizadas 250 vagas para interessados em desenvolvimento de sistemas em empresas de base tecnológica e em empresas convencionais interessadas na cultura de inovação e que queiram capacitar jovens para trabalhar com Programação de Sistemas e Programação Web.

O vice-governador destacou que o programa foi desenvolvido observando as necessidades do mercado. “Temos dez mil empregos disponíveis em Tecnologia de Informação no Estado. Estamos convocando todo o Sistema S para ajudar na formação e nessas contratações. As 250 vagas abertas nesse momento fazem parte de uma primeira experiência, mas em breve esse número aumentará”, afirmou Piana. “Estamos concretizando uma nova formação específica para ajudar as empresas. Qualificação é uma necessidade urgente e diária do mercado”.

Segundo Henrique Domakoski, superintendente de Inovação do Governo do Estado, o Paraná é o segundo do País em termos de faturamento de empresas de tecnologia e o que mais cresceu nesse segmento em 2019. A Superintendência foi responsável pela articulação da iniciativa junto ao Sistema S e vai ajudar, nesse segundo momento, no contato com as empresas para contratação desses aprendizes.

“A velocidade de crescimento dessas empresas é maior do que o tempo de formação tradicional. Ou seja, é um processo que precisa ser acelerado. Saltos qualificados nesse setor têm de estar acompanhados de treinamento. As empresas paranaenses invariavelmente terão um braço de tecnologia do futuro, é uma exigência, além daquelas já nascidas nesse ambiente”, disse. “E estamos falando de geração de renda, de bons empregos, que pagam bem, de desenvolvimento social do Estado”.

Fonte: Agência Estadual de Notícias

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *