A campanha Setembro Amarelo tem início, mas em Francisco Beltrão os trabalhos estão sendo desenvolvidos há vários meses. Estão sendo realizadas ações de capacitação dos profissionais de todas as áreas que trabalham nas instituições de saúde municipais e estaduais.

Instituído em 2 de julho de 2018, o Comitê Municipal de Prevenção ao Suicídio agrupa representantes de diversas entidades, que se se reúnem para debater estratégias que possibilitem a ampliação das ações de prevenção e conscientização do suicídio e de valorização da vida. Segundo a coordenadora de Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde, psicóloga Marina Tibes, a notificação e o monitoramento das tentativas de suicídio são realizadas desde o início deste ano.

“Começamos fazendo um trabalho de sensibilização dos profissionais sobre o suicídio. Organizamos a rede de referência para o melhor acompanhamento das vítimas e seus familiares. Em função do alto índice de suicídio, tomamos a iniciativa de instituir o comitê e monitorar os casos. Até agora conseguimos evitar que várias tentativas fossem concretizadas”, conta a psicóloga. Como não é suficiente apenas realizar a notificação e o acompanhamento, o comitê municipal vem discutindo formas de ampliar ações de prevenção ao suicídio.

“Nós sabemos que a rede faz o atendimento da situação em si. No entanto, o trabalho de prevenção é necessário para que haja maior articulação da rede pública de saúde e dos diversos serviços envolvidos. Percebemos que o mais importante é pensar na prevenção, pois as crises suicidas quase sempre são temporárias. Dos casos notificados, dificilmente as pessoas reincidem. Por isso, estamos direcionando as ações na prevenção do suicídio e na promoção da saúde mental”, pontua Marina.

A partir de dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o Ministério da Saúde pretende reduzir em 10% o número de óbitos por suicídio até 2020. Entre as ações da agenda estratégica destacam-se a capacitação profissional, orientação do público em geral, a expansão da rede de assistência em saúde mental e o monitoramento anual dos casos no País, além da criação de um Plano Nacional de Prevenção do Suicídio.