Trabalhadores de pelo menos 31 categorias prometem cruzar os braços nesta sexta-feira (14) no Paraná, em adesão à greve geral chamada pelas centrais sindicais. O movimento é em protesto aos cortes de orçamento destinados à Educação e a Reforma da Previdência. Mas também têm outras pautas, como o pagamento da data base e a valorização das categorias.

Porém, o número ainda pode subir. Motoristas e cobradores ainda devem decidir se aderem ou não ao movimento, assim como os caminhoneiros autônomos, que estariam divididos sobre participar deste dia de greve geral. Entre as entidades que já declararam a adesão estão servidores públicos da esfera municipal, estadual e federal, de áreas diversas, como a educação, saúde e segurança pública.

Os metalúgicos também devem participar e anunciam que serão realizadas cinco carreatas “gigantescas” no dia da manifestação geral. A informação é do Comitê Unificado da Greve Geral no Paraná. Os bancários decidiram, na noite de ontem, que irão participar da paralisação.

O Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (Sismac) e o Sindicato dos Servidores Municipais de Curitiba (Sismuc), em assembleia conjunta realizada no dia 6 de junho, definiram pela participação. Eles somam mais de 20 mil trabalhadores. “A Reforma da Previdência é desumana e tem como objetivo acabar com a aposentadoria dos trabalhadores, e privilegiando alguns setores”, diz o texto de convocação de adesão ao movimento.

A pauta do dia de greve geral acabou incluindo outras demandas, como a dos servidores estaduais, que no momento reivindicam a data base das categorias, além da aposentadoria. A geração de emprego também é uma dos motes do protesto, já que o País vem patinando nesta setor nos últimos anos. Hoje seriam mais de 12 milhões de desempregados no Brasil.