A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), mostra que o percentual de famílias endividadas no Paraná ficou em 89,4% em setembro, praticamente o mesmo percentual observado em agosto (89,1%). Em relação a setembro do ano passado, a parcela de famílias com dívidas também se manteve estável (89,6%).

O percentual de famílias com contas em atraso baixou de 29,5% em agosto para 27,5% em setembro e o Paraná figura na 12ª posição nacional neste aspecto. 
A média nacional de endividamento ficou em 60,7% em setembro. Ainda que o Paraná figure entre os estados com maior número de endividados do país, isso se deve justamente à segurança no mercado laboral e à situação econômica do estado. No mês de agosto, foram gerados mais de 10 mil novos postos de trabalho Paraná, o que corresponde a 9% das admissões do país, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). A certeza de um salário ou renda no fim do mês motiva o consumidor a comprar mais, principalmente de forma parcelada. Assim, muitas das situações descritas como endividamento dizem respeito a compras a prazo, tanto que o tempo médio de endividamento dos paranaenses é de 6,6 meses. 

Endividamento e renda

A proporção de endividados é bastante parecida entre as faixas de renda analisadas. Entre as famílias com rendimentos até dez salários mínimos, 89,2% possuem algum tipo de dívida, enquanto nas famílias com renda superior a esse patamar o endividamento atinge 90,6%. 
O atraso no pagamento é mais pronunciado entre aqueles que ganham menos. Nas famílias com renda até dez salários mínimos, 29,8% possuem dívidas atrasadas. Já nas famílias com renda acima de dez salários mínimos, o atraso no pagamento é relatado por 16,5%. Da mesma forma, a falta de condição para pagamento das dívidas em atraso é maior entre as famílias com rendimentos até dez salários mínimos (13,1%), pela própria limitação da renda. Nas famílias com renda acima de dez salários mínimos, esse percentual é de apenas 4,7%.