Os depósitos da caderneta de poupança superaram os saques em R$ 38,2 bilhões em 2018, informou nesta segunda-feira (7) o Banco Central.

É o melhor resultado para a aplicação desde 2013, quando o saldo da poupança ficou positivo em R$ 71,047 bilhões.

Ao longo do ano passado, os depósitos somaram R$ 2,252 trilhões e os saques, R$ 2,214 trilhões.

Em dezembro, os depósitos superaram os saques em R$ 14,606 bilhões. No mês os depósitos somaram R$ 223,321 bilhões e os saques, R$ 208,714 bilhões.

Durante o ano passado, os saques só superaram os depósitos em três meses: janeiro, fevereiro e outubro.

 

Atratividade da poupança

 

Com a queda dos juros básicos da economia em 2017 e no começo deste ano, a caderneta de poupança passou a render menos.

Pela norma em vigor, há corte no rendimento da poupança sempre que a taxa Selic estiver abaixo de 8,5% ao ano. Nessa situação, a correção anual das cadernetas fica limitada a 70% da Selic, mais a Taxa Referencial, calculada pelo BC.

Atualmente, a Selic está em 6,5% ao ano. Como a regra prevê que a correção da poupança seja de 70% dessa taxa, ela está hoje em 4,55% ao ano, mais Taxa Referencial.

Um levantamento feito pelo administrador de investimentos Fábio Colombo mostrou que a poupança ficou em 10º lugar entre as aplicações financeiras que mais renderam em 2018. O ouro e o dólar foram os investimentos que ofereceram o maior retorno durante o ano passado.