Uma família que reside na comunidade de Água Preta, interior de Ampére, sudoeste do Estado, encontrou uma cobra próxima da casa onde reside. O animal, possivelmente da espécie coral, estava em um gramado ao lado da área da casa. O fato ocorreu na parte da manhã desta sexta-feira, 17.
 
A reportagem das Rádios Ampére AM e Interativa FM apurou que o animal foi percebido depois que o cachorro da família começou a fazer movimentos diferentes. Nair Cesca contou que o cão ia para frente e para trás. “Estava na casa dos meus pais e percebi que o cachorro tinha achado alguma coisa. Quando chegamos perto foi percebido que se tratava de uma cobra e tentava dar o bote no cão.”
 
A serpente foi capturada e levada até uma mata distante da residência.
 
CASOS NO SUDOESTE
Esse foi o segundo caso registrado nesta semana em Ampére. Uma família que mora no bairro Nossa Senhora das Graças encontrou uma cobra, não se sabe a espécie, dentro da propriedade.
 
No sudoeste uma criança foi picada neste começo de ano por uma cobra coral em Coronel Vivida. O menino de 8 anos estava na casa dos avós, na comunidade de Rio Quieto, quando foi atacado pela serpente. Ele foi levado para atendimento na cidade e foi medicado.
 
Já em Marmeleiro no último final de semana uma jovem de 17 anos foi picada por uma cobra jararaca. Ela foi levada para uma unidade de saúde da cidade vizinha de e ficou internada dois dias.

COBRA CORAL


Segundo o site Wikipédia: cobra-coral é uma denominação comum a várias serpentes da família Elapidae, da tribo Calliophini,[1] que podem ser subdivididas em dois grupos: corais do Velho Mundo e corais do Novo Mundo. Existem 16 espécies de corais do Velho Mundo, pertencentes aos gêneros CalliophisHemibungarus e Sinomicrurus, e mais de 65 espécies de corais do Novo Mundo, incluídas nos gêneros LeptomicrurusMicruroides, e Micrurus. Estudos genéticos indicam que as linhagens mais basais de corais se encontram na Ásia, indicando que elas se originaram no Velho Mundo.[2][3] No Brasil, podem ser conhecidas pelos nomes cobra-coral-venenosacoral-venenosacoral-verdadeiraibibobocaibiboca e ibioca.
 

As cobras-corais não dão "bote" e apresentam hábitos fossoriais, vivendo em sua maior parte escondidas embaixo de troncos e folhagem. A dentição é do tipo proteróglifa, característica que certamente as diferem das falsas-corais, que apresentam dentição opistóglifa ou áglifa. Existe um antigo ditado para distinguir corais-verdadeiras de corais-falsas: Vermelho com amarelo perto, fique esperto. Vermelho com preto ligado, pode ficar sossegado. O ditado está incorreto, dado que não existe um padrão de coloração exclusivo das corais-verdadeiras e muitas falsas-corais conseguem mimetizar perfeitamente um coral. A única forma de diferenciar os dois tipos de cobras é pela dentição.
 

Apresentam uma peçonha de baixo peso molecular que se espalha pelo organismo da vítima de forma muito rápida. A coral necessita ficar "grudada" para inocular a peçonha pelas pequenas presas. A cobra-coral é tão peçonhenta quanto uma naja. A sua peçonha é neurotóxica, ou seja, atinge o sistema nervoso, causando dormência na área da picada, problemas respiratórios (sobretudo no diafragma) e caimento das pálpebras, podendo levar uma pessoa adulta ao óbito em poucas horas. O tratamento é feito com o soro antielapídico.

As corais são noturnas e vivem sob folhas, galhos, pedras, buracos ou dentro de troncos em decomposição. Para se defender, geralmente levantam a sua cauda, enganando o ameaçador com sua forte coloração. As atividades diurnas estão ligadas às buscas para reprodução e maior necessidade de aquecimento que as fêmeas grávidas apresentam. Após o acasalamento, a fêmea põe de 3 a 18 ovos, que em condições propícias abrem após 90 dias aproximadamente. Dada a capacidade de armazenar o esperma do macho, a fêmea pode realizar várias posturas antes de uma nova cópula.
 

Os acidentes ocorrem com pessoas que não tomam as devidas precauções ao transitar pelos locais que possuem serpentes. Ao se sentir acuada ou ser atacada, a cobra-coral rapidamente contra-ataca, por isso recomenda-se o uso de botas de borracha cano alto, calça comprida e luvas de couro, bem como evitar colocar a mão em buracos, fendas, etc. A pessoa acidentada deve ser levada imediatamente ao médico ou posto de saúde, procurando-se, se possível, capturar a cobra ainda viva. Deve-se evitar que a pessoa se locomova ou faça esforços, para que o veneno não se espalhe mais rápido no corpo. Deve-se também evitar técnicas como abrir a ferida para retirar o veneno, chupar o sangue, isolar a área atingida, fazer torniquetes, etc., sendo o soro a melhor opção.
 

Fonte foto: Nair Cesca