A Promotoria de Justiça de Ampére, no Sudoeste paranaense, ajuizou ação civil pública contra a Companhia Paranaense de Energia (Copel) por conta de irregularidades no fornecimento de energia elétrica no município. Conforme a ação, o fornecimento tem sofrido interrupções constantes, sem aviso, causando grandes prejuízos à população.

Entre os exemplos citados na ação, está o fato de o hospital da cidade ter precisado usar gerador de energia durante 132 horas no ano passado. Uma empresa noticiou ter arcado com um prejuízo de R$ 50 mil em um período de sete meses por conta das quedas e interrupções do fornecimento. A própria Copel informou ter havido 158 interrupções neste ano, até o dia 12 de março.

Na ação, o Ministério Público do Paraná pede, entre outras medidas, que a empresa seja obrigada a adotar imediatamente todas as intervenções técnicas necessárias para evitar as oscilações constantes, interrupções no fornecimento e quedas de tensão, fornecendo um serviço eficiente, regular e contínuo. Além disso, requer que a Copel pague indenização aos consumidores lesados.

COPEL
A reportagem das Rádios Ampére Am e Interativa Fm entrou em contato com a Assessoria de Imprensa da Copel e a empresa disse que ainda não foi notificada da ação. Acompanhe a nota:

"A Copel não foi citada oficialmente sobre a ação civil pública proposta pelo Ministério Público e, portanto, desconhece o teor da mesma. Contudo é importante ressaltar que  sempre esteve a disposição do MP prestando os esclarecimentos solicitados. Quando for oficialmente citada a Copel apresentará, em juízo, resposta demonstrando a improcedência dos argumentos do MP e que a empresa tem realizado importantes investimentos na região de Ampére, na busca contínua da melhoria no atendimento dos consumidores. Um exemplo é o alimentador novo que está em construção no município, e a troca de cabos prevista na linha Realeza/Ámpere."